domingo, 28 de novembro de 2010

ETs




A @janainamesquita, minha querida amikino (amiga em Esperanto) do Twitter, sugeriu um tema intergaláctico!

“Ufologia + Espiritualidade qual a relação?”



Esse não é um tópico que penso muito... Mas mesmo assim vieram algumas considerações. A Janaína tem razão, frequentemente a vida extraterrestre é unida à espiritualidade. Inclusive tem um livro e um filme que fala disso “Eram os Deuses Astronautas?”

Se pensarmos vamos ver algumas relações. Tanto Deus quanto os ETs moram no “céu”, acima de nossas cabeças, no infinito. Ambos só aparecem para alguns escolhidos, não temos muita certeza de suas existências... Eles podem nos salvar, mas também nos castigar por nossos atos e são mais poderosos que a gente.

Acho, então, fácil relacionar as duas coisas, na nossa cabecinha infantil que deseja a todo custo ser salva sem empregar o mínimo esforço. Queremos que alguém nos cure, nos faça melhor, cuide da gente. Nossa mente de criança abandonada clama por um salvador. Então criamos, com nossa imaginação, seres para fazerem esse papel.

Eu acredito que existem outras formas de vida, além da gente, espalhadas pelo Universo e que talvez sejam espiritualizadas, mas que não fariam muita diferença para nossa própria evolução e amadurecimento, nem vão nos salvar na última hora. Estamos por conta própria mesmo, essa é nossa benção e nossa maldição. Nosso crescimento espiritual deve-se a nossos esforços e quem nos salva somos nós mesmos, quando ascendermos em compreensão de quem realmente somos, como fez Sidarta Gautama por exemplo.

Portanto não acho essa ligação de ET com espiritualidade frutífera, embora goste muito da idéia de termos seres vivos com cérebros parecidos com os nossos, no universo.

Não sei se ajudo muito a Janaína,minha querida amikino, mas foi o melhor que saiu...

Namasté!

Leia também:
Sabedoria Coragem Fé
Responsabilidade X culpa
Deus não se explica

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Porque o Bocejo é contagioso



Suzana Herculano-Houzel
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2008
Série Ciência da Vida Comum
2ª Edição
178p

Fiquei maravilhada ao conhecer um pouco mais do funcionamento de nosso cérebro! A autora, de uma forma simples e engraçada, nos conta desse organismo vivo que mora dentro do crânio. Às vezes parece que tem vida própria!

Também fica muito fácil entender alguns de nossos comportamentos. Como o choro, a empatia, a generosidade, a vontade de olhar aquilo que é bonito, porque as revistas de mulher pelada e as propagandas funcionam! Como se dá o processo de aprendizagem. E até porque não é bom dirigir e atender o celular ao mesmo tempo.

Aprendi muito sobre o córtex pré-frontal, o responsável por sermos civilizados... E os neurônios espelhos que nos fazem sentir o que o outro sente.

O livro é fácil de ler, cada capítulo é a resposta de uma pergunta como: “Por que as crianças tantas vezes parecem ignorar um não?”

Quem disse que não tínhamos manual, agora já pode ficar tranqüilo, criaram um! Recomendo a leitura com atenção!

Boa leitura!

Leia também:
Dominar a mente
Pensar para realizar
Lidar com as emoções

Outro livro:
Felicidade autêntica

domingo, 21 de novembro de 2010

Estamos todos bem?



Tenho uma teoria sobre a mentira e seu ambiente que foi corroborada recentemente quando vi um filme chamado “Estão todos Bem”, uma versão americana de um filme italiano ("Estamos todos bem") com Mastroianni no papel principal.

A história gira em torno de um pai de família extremado que viveu a vida toda para os filhos, mas que não os conhecia na totalidade. Ele idealizou tanto o futuro dos filhos, de uma forma tão rígida, que terminou criando uma atmosfera propícia a mentiras e ocultações.

Ao visitar os filhos de surpresa, pôde constatar o quanto estava distante deles, pois estes não se comunicavam de forma totalmente honesta.

Minha teoria é que o ambiente pode criar a necessidade da mentira, até em quem não é acostumado a mentir. Num lugar que se detecte provável condenação, reprimenda, reprovação, negação do desejo, ou mesmo um sermão; pessoas normais mentem. Eu não estou me referindo a pessoas com caráter deformado, que mentem só em benefício próprio ou para prejudicar alguém. Estou falando de seres do bem, com fragilidades e dificuldades comuns.

O filme mostra isso. No momento em que o pai passa a se esforçar para aceitar todos como são e não como gostaria que eles fossem os filhos podem se aproximar dele e contar todas as verdades. E se sentem bem e aliviados, por que a maioria gosta da verdade, mas não gosta de sentir-se condenado ou reprovado.

Meu conselho é: quem não quiser ser enganado no dia a dia pelos amigos e parentes, crie um clima de recepção cordial, não adianta nada ficar pedindo para o outro não mentir e ameaçando a criatura de cortar seu afeto, convívio ou de condená-lo por seus atos infratores.

E não adianta querer argumentar comigo, que isso é injusto, porque, querido/a, nem sempre a vida é justa. E na maioria das vezes exige muito da gente...

Namasté!

Leia também:
Verdade e Mentira
Fato e interpretação
Os prisioneiros

Outro filme:
Nell

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Harry Potter e a Pedra Filosofal


J.K. Rowling
Tradução: Lia Wyler
Rio de Janeiro: Rocco, 2000
263p




Ok, estou “um pouco” atrasada, mais precisamente dez anos! Porém repito, eu não vivo no tempo de todo mundo, nem à frente dele, na maioria das vezes venho muito atrás...

Este livro chegou as minhas mãos no começo de 2010, de uma forma inusitada. Conheci uma jovem numa locadora e conversando sobre filmes adaptados de livros, ela me contou que Harry Potter havia marcado sua adolescência, e que a acompanhou enquanto crescia. Ficou tão feliz que disse para mim: “Você precisa ler esse livro! Eu vou emprestar o meu para você! Não pude dizer não a tamanho entusiasmo. Na outra semana estava com o livro impecavelmente bem conservado nas mãos... Eu li! Já havia assistido ao filme e fiquei impressionada em como o cinema foi fiel ao livro!

Por incrível que pareça no filme dá para sentir melhor o tom de amizade, solidariedade e amor que no livro, mas isso está bem registrado lá. Meu personagem preferido é o Dumbledore, que não é muito marcante no livro só aparecendo apropriadamente no último capítulo (meu preferido).

Para mim é uma boa história! Com bons exemplos para adolescentes. A amizade, a solidariedade e a justiça imperam. A visão de uma sabedoria calma e bem humorada na figura de Dumbledore, da necessidade de disciplina da professora Minerva, o “mal” em Voldemort, a amargura em Snapes, a inocência e força animal em Hagrid. E... A juventude impetuosa, impulsiva, mas desejosa de aprender a agir corretamente nos três personagens principais. Tá tudo bem medido para ensinar como crescer de forma divertida. Simplesmente adorei!

Frases que me chamaram atenção:

“Não existe o bem e o mal, só existe o poder, e aqueles que são demasiado fracos para o desejarem...” Prof. Quirrell citando Voldemort p248

“Para uma mente bem estruturada, a morte é apenas a grande aventura seguinte.” Dumbledore explicando a morte para Harry p253

“O problema é que os seres humanos têm o condão de escolher exatamente as coisas que são piores para eles.” Dumbledore explicando para Harry porque deveria destruir a pedra filosofal p 254

“Chame-o Voldemort. Sempre chame as coisas pelo nome que têm, O medo de um nome aumenta o medo da coisa em si.” Dubledore para Harry p 254

“A verdade é uma coisa bela e terrível, e, portanto deve ser tratada com cautela... Vou responder suas perguntas, a não ser que haja uma boa razão para não fazê-lo... Não vou, é claro, mentir.” Dumbledore explicando a Harry sobre o que é verdade e mentira p 254

“Imagino que tivesse uma boa idéia do íamos tentar fazer e em lugar de nos impedir ele simplesmente ensinou o suficiente para nos ajudar.” Harry entendendo as atitudes de Dubledore p 258

“Existe todo tipo de coragem. É preciso muita audácia para enfrentarmos os nossos inimigos, mas igual audácia para defendermos os nossos amigos.” Dubledore explicando coragem através da atitude de Neville p 261


Achei educativo! Os pais deveriam aprender com o grande Mago...

Boa leitura!

Leia também:
Um grande professor
Guia para pais com pouco tempo e muito carinho
Como nos educar?

Outro livro:
Crepúsculo


 

domingo, 14 de novembro de 2010

Reino dos céus



Esta semana eu vi uma criança se divertindo da melhor forma, só por existir e ter penas para correr. Ele devia ter no máximo uns dois anos, mas já tinha firmeza nas pernas suficiente para correr e isso o divertia, ele corria em círculos, rodeando uma gôndola na loja em que eu estava e peguei carona com ele em sua correria, me diverti com a diversão dele.

E me lembrei de algo que Jesus disse, para entrar no reino dos céus é preciso ser criança. No meu caso voltar a esse ponto. Divertir-me só porque existo. Usufruir de minha própria vida, como se não existisse outra coisa qualquer para fazer (na verdade não existe mesmo). Livre, inteira, animada.

Foi um ótimo encontro e lembrança. Acredito que certas coisas na vida só uma criança ensina, pois ela tem uma experiência direta com sua alma divina, da qual o adulto já foi apartado.

Recebi meu presente de dia das crianças. Correr com um menininho, feliz só por existir e não ter nada mais para fazer.

Namasté!

Leia também:
Nadismo: Uma revolução sem fazer nada.
Vida
Uma experiência em minha vida

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

A vida em Perigo



Louise L. Hay
Tradução: Thelma Média Nóbrega
Rio de Janeiro: Best Seller, 2006
2ª Edição
280p


Neste livro L.Hay trata de um tema delicado, a AIDS. Desde a década de 1980, ela facilita um grupo com portadores e conta sua forma de ver e tratar dessa doença e das pessoas que a portam. Toda sua visão é positiva e realista. Ela traz tanto a dor e mal estar provocado por esse acontecimento. Quanto à possibilidade de encarar essa situação de uma forma construtiva. Aproveitando-a para crescer, mudar relações familiares, se entender melhor, viver de forma mais saudável.


Gosto muito dessa autora e me oriento muito por suas dicas desde 2000. Acredito que podemos superar dificuldades com mais tranqüilidade se tivermos uma postura positiva das coisas.


Ela também dá sugestões para as pessoas se reunirem em grupos de ajuda, passando a própria experiência de forma prática, dando o passo a passo da formação de um desses grupos.


Todo capítulo começa com uma afirmação e termina com um “tratamento”, fluxo de ideias positivas criado para transformar a consciência. Além de ser muito ilustrado com histórias verdadeiras de vários tipos de superação da AIDS.


Boa leitura!

Leia também:
Dia mundial da saúde mental
Afirmação para saúde 2
Auto estima um bem essencial

domingo, 7 de novembro de 2010

Nós Somos Maravilhosos!


Frase difícil essa hein? Mas hoje eu quero falar como somos maravilhosos! Somos seres lindos, amorosos, generosos. Temos um corpo magnífico que é tecnologicamente avançadíssimo. Você já reparou na perfeição da mão? Como ela consegue pegar coisas delicadas ou sustentar pesos? Como ela se movimenta abrindo e fechando, como ela produz arte e beleza?

E a face? Variados músculos criam expressões extraordinárias, ricas, sutis a ponto de com um gesto no olho podermos identificar a expressão de um sentimento.

E o fato de nós andarmos eretos? Sob dois pequenos pontos chamados pés? Sabe lá o que é vencer a gravidade? Sem, falar do cérebro... Ah! O cérebro, que organismo perfeito, nem é muito grande, mas é um universo!

Até agora estou no corpo, mas não somos só isso não é? E nossos gestos emocionais, somos capazes de nos sacrificar para salvar outra pessoa num segundo, às vezes sem pensar. Sorrimos! Ensinamos, apoiamos, ajudamos. Somos capazes de amar fraternalmente e sofrer até por quem nunca vimos!

Lutamos para salvar animais, florestas, flores, crianças, mulheres, homossexuais e todos aqueles que achamos estar sofrendo. Gastamos quantidades de dinheiro enorme, às vezes para salvar uma pessoa só, como se não pudéssemos viver sem aquele companheiro. Não abandonamos quem se perdeu, criamos meios de resgatar pessoas presas em minas, quase soterradas. E chegamos ao cúmulo de arriscar nossas próprias vidas para resgatar cadáveres só para a família poder cumprir com os rituais de luto, porque amamos uns aos outros. Doamos dinheiro para que todos se alimentem, fazemos shows para que todos tenham onde morar, protegemos, cuidamos. Não deixamos ninguém sem participar da vida, incluímos pessoas com deficiências, criamos meios para que elas possam viver plenamente.

Somos lindos, maravilhosos, perfeitos. Mas também somos humildes, falamos pouco de nossos feitos, na maioria das vezes nos depreciamos, vejam só! Então convido todos a serem orgulhosos e declararem suas virtudes, belezas, generosidades, amores. Falemos mais sobre isso porque isso é verdade: Somos maravilhosos!!

Namasté!

Leia também:
Nós já estamos num mundo melhor.
Coragem de ser você
Será que nos amamos?