terça-feira, 25 de março de 2014

Casamento e Gaiola






Estava no estacionamento de uma loja de produtos de animais, quando vi um pássaro numa gaiola, acho que era uma calopsita, lindinha. Ela estava num espaço que pareceu pequeno. E fiquei pensando se ela estava gostando de viver daquele jeito.

Logo listei as vantagens; proteção, alimento certo e, se o dono fosse bom, muito carinho. Ele seria amado, mas será que valia o aprisionamento? Será que toda essa segurança era um valor razoável pela sua liberdade de ir e vir, de voar bem alto, de estar com outros de sua espécie, de fazer escolhas? Bom, não acho que animais fazem escolhas, pois seguem um padrão da natureza, com exceção é claro dos animais de Hollywood, mas sei lá!

Bom, aí transferi isto para um casamento. É bem parecido, você troca a liberdade de ir e vir e de escolher onde, quando e com quem quer estar, de acordo apenas com seu desejo, por uma sensação de segurança, de alimento afetivo certo, sem ter dúvidas se terá este alimento. É garantido. Ganha também proteção, pois o arranjo dá um certo sentimento de que não precisamos mais nos esforçar para receber atenção, carinho, companhia.

Mas do mesmo jeito que o pássaro, perdemos algumas coisas em troca deste sentimento. O pássaro, se tiver de asa perfeita e forte, pode, num descuido do dono, fugir. E o cônjuge também, então tratamos de cortar as asas da criatura, porque ninguém escolhe conforto pra sempre e tem uma hora que todos voam. Os humanos tem um recurso a mais que os animais. Eles sabem dissimular, fingir e para não perderem todas as vantagens, vivem duas vidas, na maioria dos casos. Eu também estou incluindo aí a imaginação, nem sempre realizamos, mas fatalmente fantasiamos.

Nenhum ser humano consegue ficar enjaulado por muito tempo, sem tentar um jeito de escapar. Talvez precisemos de maturidade para encarar este fato e incluir no casamento momentos de voo livre. Penso que assim é possível ter o melhor dos dois mundos sem precisar fingir.

Que tal soltar o pássaro de vez em quando e confiar no afeto construído como porto seguro para onde ele volta, claro isso valendo para qualquer dos participantes da brincadeira.

Namastê!
Gostou do texto? Compartilhe-o, clicando num dos botões abaixo!

10 comentários:

  1. Nanda, texto legal...Tem uma música de Raul Seixas que descreve bem isso. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é a música da maçã... eu conheço!

      Obrigada por ler e comentar!!!

      Xero!

      Excluir
  2. Olá, Nanda.
    Bom, eu acho que casamento é respeitar a individualidade do outro,ser livre respeitando como vc bem disse,o afeto construído pq certamente ele volta!.
    Um grande beijo no ♥ Rosana Gois

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, este é um novo formato, antes as individualidades não eram respeitadas. Estamos nos adaptando e encontrando novos caminhos. Mas é preciso coragem pra mudar padrões tão bem estabelecidos.

      Xero e obrigada pela radiante visita, como sempre!

      Excluir
  3. Nanda,

    Conheço alguns poucos bons exemplos de casais que estão juntos a muito tempo. Acho que poucos pares sabem realmente viver em conjunto por uma vida. Não é estar preso numa gaiola, mas olhar para a mesma direção.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, querida. A maioria entende casamento como uma prisão, então ficam infelizes juntos. Mas acredito que podemos realizar isto sem nos sentir assim. Fazendo escolhas e sabendo que as estamos fazendo. ;)

      Xero!

      Excluir
  4. Amei minha Linda ! Aproveito para desejar a ti PARABÉNS pelo seu niver. Não esqueci. Estou muito feliz casada .... feliz até demais. Continuo livre e libertando. Pois assim como seu texto, não acredito em prisões. Elas sufocam e retornam para nossas vidas, também como prisões. Amor é uma construção, que além de tudo, se edifica pela liberdade. Quem ama...liberta, e o outro se estiver livre, pode escolher voltar. bj p tu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!! Fico grata pela lembrança, mas vc esqueceu de dizer quem é... Pelo texto eu não reconheci. :( Mas estou contente que seu casamento seja feliz!

      Xero!!!

      Excluir
  5. Nanda,
    Eu acredito que as asas de um relacionamento tem sempre que ficar soltas e abertas. Voar não significa pular fora um tiquinho e depois voltar. Voar, na minha concepção, significa abastecer-se, refazer,se, reciclar-se. Meu companheiro não quer sair, eu quero encontrar com minhas amigas(os). Ou vice-versa. Sem problemas. Ambos nos veremos renovados. Bjs querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi linda!

      Sim, o importante é cada um voar como acha que deve! rsrs Mas dentro de um encontro profundo com o outro e sendo digno e respeitoso, inclusive com os limites do companheiro/a.

      Xero!!!

      Excluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.