sexta-feira, 24 de outubro de 2008

VERDADE E MENTIRA


O que é dizer a verdade? Quem está pronto para ela? Jesus dizia que a verdade nos libertaria. Todos dizem que querem “a verdade”. Qual verdade nós queremos? Você a ouviria? Você já se perguntou qual a sua parcela de responsabilidade na mentira do outro?

Ouço muita reclamação sobre a mentira. Quando falamos dela geralmente apontamos nosso dedo para o outro: é ele que mente, nós somos sempre vítimas da inverdade do outro. Dizemos: Não era mais fácil falar a verdade?! Era? Realmente é tão fácil dizer a verdade?!

Crescemos numa sociedade que discursa sobre a verdade e vive na mentira. Aprendemos desde cedo a mentir, inclusive que mentir é igual a ser gentil, mentimos para não magoar, quem diz a verdade é mal educado, grosso, insensível. Queremos verdade, mas não nos preparamos para ela; associamos ela a dureza, a crueldade, a falta de gentileza, a perdas. Se você disser tal coisa, vai perder (o emprego, o namorado, suas conquistas, etc). Sim associamos a verdade a perda. Mentimos geralmente porque não queremos perder. A verdade faz todos irem embora, faz não gostarem de você.

Essa é uma sociedade muito maluca, falamos, mas não fazemos. Parece até que somos todos políticos, prometemos e não cumprimos, ou marqueteiros, “propagandeamos” e não correspondemos. Enfeitamos e vivemos de aparência.
Será que a verdade é realmente nua e crua? Será que toda verdade é dolorosa como nos fazem crer? Será que realmente a verdade nos faz perder coisas, pessoas, posições? E se ela nos faz perder, será que o que perdemos é realmente importante? Será que vale a pena manter algo pela mentira?

A verdade nos liberta... Mas do que? Onde nós estamos presos? Do que precisamos nos libertar? Que liberdade é essa?
Que verdade é essa que queremos tanto ouvir? Por exemplo, esposas traídas geralmente usam essa frase: Por quê ele não me disse a verdade?!... Qual? A que de vez em quando ele a odeia? E que vez por outra sente atração por outra mulher? Ou que apareceu uma mulher interessante que complementa a relação do casal inicial?
Fico pensando, como essa mulher iria ouvir essas declarações? Certamente acusando-o de ser cruel, de que não a ama mais, ia fazer um drama, talvez até se separar precipitadamente. Será que essa mulher tem base para acolher, dissolver e ampliar essas questões que sim, fazem parte do casamento!? Eu, não acredito. A verdade que as mulheres querem ouvir é: Você é a única, a mais importante pessoa. Sou cego para qualquer mulher que não seja você! Todos sabemos que isso é mentira! O romance não é linear ele parece mais uma onda, que sobe e desce; ora eu gosto muito, ora odeio muito, ora só tenho olhos para você, ora vejo quanta mulher interessante tem no mundo. E isso vale para ambos os sexos.

Parece que a mentira nos dá segurança, vivemos num mundo de fantasias no qual não corremos riscos, isso é casamento, uma ilusão. Veja bem, se unir em dupla não é ilusão, o que é fantasia é você achar que existe segurança nesse acordo, que ele não vai mudar nunca, que não vai oscilar, às vezes chegando quase que uma separação e depois voltando.É uma ilusão você achar que depois de 10, 15, 20 anos nessa dupla não aparece um terceiro, mesmo que seja em sonho. Você esconde isso porque acha que vai magoar o outro se disser: Minha paixão oscila, ela vai do vermelho sangue ao branco cândido e às vezes fico apático desejando coisas e pessoas novas. Aprendemos que dizer isso é desrespeito... Sim, a verdade é desrespeitosa, maltrata, e como somos tão bonzinhos nós mentimos, inclusive para nós mesmos, não sabemos que estamos mentindo e aí somos pegos de surpresa pela mentira do outro, mas o que provavelmente aconteceu primeiro foi você mentir para si.

A mentira do outro é um reflexo da sua própria mentira interior. Pense! Tem alguém que você pegou na mentira? Ela é sua também, você não é vítima, é cúmplice. Ajudou o outro nessa mentira, a diferença é que a dele foi descoberta, a sua ficou na moita. A partir de agora faça o teste; descobriu mentira pergunte a si mesmo: onde também estou mentindo? O que eu não quero, não suporto saber? Em que mundo de fantasia eu me escondo? A verdade vai lhe libertar!

A verdade é evitada por alguns motivos : vergonha, desejo, culpa, medo, são alguns dos principais. Temos vergonha de assumir nossos desejos e medo de nos sentirmos culpados. Somos criados para entender que aquilo que queremos, não podemos e devemos sentir vergonha de querer. Para aprender usamos a culpa, esse sentimento doloroso que imaginamos refrear nossos instintos mais baixos. A verdade é que não refreia, só esconde!

O que nos livra do comportamento destrutivo é a inteligência, não a culpa. A culpa encobre e nós, inconscientemente, repetimos o ato ineficaz, ou seja, não adianta manipular com a verdade instintual para nos fazer parecer civilizados, sim, porque associamos verdade à selvageria, à ignorância; pessoas cultas mentem refinadamente, os broncos e as crianças são verdadeiros. Nas crianças achamos lindo. Oh! A criança é tão verdadeira! Que bom seria que todos fossem assim! Mas na hora de testar, adultos escolhem mentir, deixam a beleza para a criança.

A verdade gera muita confusão. Sim, a verdade bagunça. Há xingamentos, ofensas, choros e ranger de dentes, complica. É mais simples mentir. É mais rápido, mais cuidadoso, mais protetor. Sim, a verdade desprotege, nos sentimos vulneráveis, frágeis. Preferimos ser sensatos. Isso! Ser sensatos. Politicamente corretos. Fazemos apresentações para os outros construírem uma imagem boa de nós, afinal o que vale é a imagem, eu posso ser podre por dentro, mas não posso aparentar, afinal nossas relações são tão superficiais que o mais profundo não é visto. Aprendemos a esconder nosso lado B, nossa sombra.Não quero dizer que só esse lado B é verdadeiro, não! Todos o lados são, tanto a luz quanto a sombra, mas a luz sem a sombra se torna falso, sem força. Nós oscilamos, somos ao mesmo tempo santos e assassinos, somos “e” não “ou”. Não precisamos ter vergonha, medo. Isso foi aprendido, podemos desaprender.

Contam muitas mentiras para nós e elas vêm tão bem embaladas que achamos vitais acreditar. O problema com essas informações é que elas são parciais, mostram só o lado mais agradável, confortável e nos acomodamos aí, presos com uma angústia que não sabemos de onde vem. É um vazio horroroso, que tentamos mais rapidamente preencher com coisas (sexo, compras, comida, diversões, bebidas, etc), precisamos nos anestesiar de alguma forma para não sentir a angústia do vazio, e achamos que isso é parte da condição humana, esse vazio foi cuidadosamente criado, pedaço por pedaço, ao longo de nossa existência. Está tão bem estruturado que acreditamos ser verdadeiro. Não é! É uma ilusão! Um sonho! ACORDE! A verdade o libertará!

Pode ser doloroso, no início, mas depois você se encherá de leveza. Primeiro escute-se, não minta para si. Continue mentindo para os outros se achar mais prudente, mas queira saber toda a verdade sobre você. Dentro só você vê, afinal os outros não têm profundidade suficiente nem para si quanto mais para você. Ninguém vai ver. Diga a si mesmo suas verdades, pergunte, mesmo que você descubra que não queria mais estar no casamento, trabalho, vida... Você não precisa mudar nada no começo. Deixe que seus outros aspectos sejam conhecidos, observe suas nuances, suas complexidades, suas contradições, não tenha medo só você está vendo. Não recomendo fazer essa viagem sozinho, eu não fiz, e conheço gente que começou só e se perdeu. Procure alguém que você simpatiza e que saiba desse tipo de percurso, para lhe ajudar a ir vendo aos poucos, pedaço por pedaço, depois você resolve o que vai fazer; se reutiliza ou joga fora. Torne-se inteiro, sinônimo de verdadeiro, genuíno, fiel. Reconheça o máximo de partes que puder e deixe um espaço para se surpreender consigo. Tem coisas que levam tempo maior. Diga sempre a si mesmo: Eu me aceito, do melhor ao pior, do mais doce ao mais amargo, de A a Z. E a verdade vai podendo se mostrar.

A verdade é o silêncio, se experimenta não se fala, é única, pois é a experiência de ser inteiro, não tem nada a ver com conceitos, teorias. A verdade é o universo para dentro e para fora. Não tem linguagem, é um desabrochar, é existir. O rio desembocando no mar e desaparecendo em algo maior, que é parte de algo maior. Infinito. A verdade lhe libertará!

Namasté!

Leia Também:




9 comentários:

  1. Nanda, adorei sua estréia. Texto gostoso de ler, bem escrito. A sua cara. Visitarei esta página e a recomendarei a partir de agora. Sabendo que ela não substitui - e nem deve - os encontros reais. Um beijo, Lúcia.

    ResponderExcluir
  2. Lúcia, obrigada, seu elogio me enche de alegria! Fico feliz que você tenha gostado, e obrigado pela recomendação.bj.

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Que bom seria se as pessoas parassem para refletir como você fez neste texto! Quanta coisa poderia ser melhor?!

    Ao mentirmos, enganamos a nós mesmos, em primeiro lugar. Porque é um exercício que tem-se que fazer para que você acredite verdadeiramente na mentira que pretende contar ao outro.

    Ah... é um assunto complexo e que dá pano pra manga!

    Gostei da reflexão!
    Parabéns!
    ^^!

    ResponderExcluir
  4. O único ser humanos que não conseguimos enganar somos nós mesmos.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  5. Devemos nos paltar e se firmar na verdade, pois uma mentira chama outra mentira e chega ao ponto do caminho sem volta. A verdade sempre a verdade nos dará muita segurança, tanto no interior como em nossas atitudes.
    Deus a abençoe

    ResponderExcluir
  6. Nanda! Há muito tempo ouvi num filme, uma frase que me marcou até hoje: "O Mundo é cruel com quem é franco"! Me serve de lição até hoje! As vezes eu contrario essa regra só para efeito de teste, e ela se confirma! Se vc for absolutamente franco com o seu melhor amigo, fatalmente vc perderá esse amigo!
    Sabe o "Elo Perdido" até hoje procurado pelos antropólogos? Aquele ser que está entre o macaco e o ser superior? Olhe à sua volta! Somos nós, Nanda!!!

    ResponderExcluir
  7. incrível, Nanda, mas este post me faz muito bem, provavelmente por fazer terapia e participar de AA, onde no quarto passo, são 12, devemos fazer um minucioso e destemido inventário sobre nós(eu!!)mesmo, ou seja, nada mais é do que contar a verdade para nós mesmos, a fim de uma depuração moral, digamos.no 5º passo, então, elegemos alguém de nossa confiança para abrir o que escrevemos no 4º.
    extremamente BOM, teu post. prossiga, SEMPRE!! um abraço fraterno!!

    ResponderExcluir
  8. Nirlando:

    Eu sei disso, pois levei por muito tempo o rótulo de mau educada...
    Hoje já equilibrei isso, eu verifico o território e se dá eu digo minha verdade, mas a minha, não me arvoro a dizer nada sobre o outro, digo sobre mim, e já fui até recompensada... Vc é uma das pessoas que disse continuaria meu amigo mesmo eu gostando de Paulo Coelho! rsrsrs
    Quanto ao elo perdido, eu também penso assim, eu nos chamo de humanóides, um ser no trajeto entre animal e ser humano, mas como disse estamos em trânsito, somos espíritos aprendendo a lidar com um corpo cheio de impulsos fortíssimos e autônomos é como tentar dominar um cavalo chucro, acho que estamos indo bem!
    Bjão!


    Paulo Roberto:

    Que bom!!!!!
    Parabéns e força!
    Se precisar pode contar comigo e meus textos!
    Gosto muito desse método do AA!
    Sempre o recomendo para meus clientes.
    Muito obrigada! E espero que volte sempre!
    Bjão!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.