domingo, 29 de agosto de 2010

Há saúde na dependência?




Recebi um e-mail de Bia, uma leitora do Múltiplas que pediu para escrever sobre “dependência emocional nos relacionamentos”. E fez três perguntas em relação a isso:

“Até quando é saudável ter dependência em relação ao outro? E quanto às fraquezas? Até que ponto pode ou não demonstrá-las?”


Bom, em minha opinião não existe forma saudável de um adulto depender emocionalmente do outro. Toda forma de dependência afetiva é doença. Só uma criança deve depender de outra pessoa, pois ainda está em desenvolvimento e precisa mesmo de um apoio externo para sobreviver. Um adulto já deveria ter internalizado esse apoio e se tornado auto-suficiente.

Alguns podem achar um exagero de minha parte, que seja, é assim que vejo. Um adulto para mim é um ser independente que compartilha sua vida e seu afeto, ele não deveria precisar do afeto do outro, para mim esse tipo de relacionamento de falta, de carência é pobre e infantil. Adultos trocam afeto em abundância, ricos, no luxo. Isso para mim é amor, não concebo amor e pobreza (emocional) vivendo juntos.

Então duas pessoas saudáveis são ricas em amor e independentes uma da outra. Não precisam uma da outra, elas compartilham suas riquezas, mas podem viver separadamente também. Essa história de depender e precisar do outro é para romances literários e novela, não deveríamos querer isso. Deveríamos querer amar de forma abundante e eu não vejo como um ser abundante pode ser depente.

Quanto às fraquezas, é impossível não demonstrá-las numa convivência diária, mais cedo ou mais tarde elas aparecem. Melhor mesmo é não esconder de si, fingindo que não as têm, porque quando o outro avistar e apontar, geralmente num dia de fúria, você não vai ser pego de surpresa. E vai poder encará-las de forma tranqüila e de cabeça erguida, sem precisar desfiar a lista de defeitos do outro para contrabalancear as suas.

Você não precisa se adiantar, elas vão aparecendo no dia a dia, agora, se quiser contar, melhor, aí o outro vai saber rapidamente onde está se metendo e depois não vai poder dizer que foi enganado. Tudo foi dito e ele escolheu passar pela relação assim mesmo.

Sou a favor de testar o relacionamento, se o outro não aguenta minhas fraquezas não pode me amar por inteiro, então é melhor ir embora mesmo, não vale à pena ficar com alguém que não nos pode ver e gostar por inteiro.

Também sou do time da verdade nua e crua, acho que o outro tem o direito de saber com quem está lidando. Embora saiba que não foi assim que fomos educados. Portanto fraqueza não se pode esconder por muito tempo, mesmo quando se tenta então para que perder tempo tentando?

Tudo que aprendemos sobre amor entre casais fica muito bonito nos livros, filmes e novelas, mas não funciona no cotidiano, precisamos acordar para isso! E criar um modelo adulto de amar.

Namasté!

Quero agradecer o carinho de Bia e dizer: Não se assuste! Espero que tenha gostado!


Leia também:
Programação da mente feminina
Amor obsessivo
Ciúme

8 comentários:

  1. Nandaaa! Adorei o post! Obrigada por ter escolhido a minha sugestão :)
    No meu ver, o ser humano tem uma necessidade natural dos outros. Mas
    realmente... a dependência, além de atrapalhar o relacionamento, faz mal pra própria pessoa que a tem excessivamente. Que busquemos então a auto-suficiência, rs. Tudo de bom! Parabéns pelo blog, ele tá ótimo! Beijo ;*

    ResponderExcluir
  2. Senti uma sensação de liberdade muito grande enquanto lia seu post, Nanda. Muito bom!

    ResponderExcluir
  3. Cara amiga!

    Mais um texto sábio. Se as pessoas aprendessem que relacionamentos não são disputa de egos, se elas soubessem primeiro amar a elas mesmas, para depois amarem ao outro livremente. Ninguém é posse de ninguém. Relacionamentos de sucesso são os que ambos tem liberdade de viverem suas vidas, suas rotinas, e compartilhar tudo isso juntos, sem podas, ciúmes. É cuidado, diálogo, sinceridade sempre.

    Muito bom o artigo. Espero sua visita no meu canto, ele tava meio desatualizado rsrs.

    Beijos

    Gustavo

    ResponderExcluir
  4. Bia:

    Obaaaa!!!!
    Fico feliz! Devo admitir que fiquei com medo que não gostasse...
    Nós somos inter-dependentes sim, mas não do jeito que imaginamos, todos estamos ligado e mesmo quem eu não conheço interfere em minha vida.
    Mas a dependência emocional, ou seja, a sensação de que sem um determinada pessoa não existimos, é fatal para nosso bem estar.
    Espero que traga novas ideias para eu escrever!
    Bjão!




    Auda:

    Que ótimo!!!!
    Minhas palavras causando sensações é um luxo!
    E liberdade é um luxo maior ainda!
    Parabéns para gente!
    Bjão!




    Gustavo:

    Obrigada!!!
    Nós estamos aprendendo! Devagar e sempre. Cada vez mais estamos evoluindo para o melhor!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  5. Oi,Nanda

    Toda depedência é maléfica,se a pessoa está em um relacionamento que a faz sofrer,que obrigue a abrir mão de si mesma para agradar o parceiro é melhor ligar o desconfiômetro e cair fora e procurar uma MADA (mulheres que amam demais) todo relacionamento deve ser construtivo do contrário é doença !

    beijos no coração

    ResponderExcluir
  6. A dependência emocional é o melhor meio de se livrar das responsabilidades e jogar a culpa, sempre no outro. A pessoa dependente, nunca assume o comando da sua própria vida. Se algo der errado ela está isenta de culpa. Isto é comodismo e medo de correr riscos.
    Um abraço
    Marineide

    ResponderExcluir
  7. Tatiana:

    Obrigada!!!!!
    Bjão!


    Rô:

    Eita! O Google deixou vc entrar?!!!
    Concordo com vc! Precisamos desvincular sentimento de posse de amor!
    Bjão!


    Marineide:

    Concordo!
    É bem cômodo, hein?
    Bjão!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.