domingo, 3 de outubro de 2010

Calar faz bem?




A @THistorias sugeriu outro tema interessante, ela perguntou sobre:

“o poder de silenciar diante alguma situação, deixar de falar pode ser melhor às vezes?”


O silêncio faz parte da sabedoria do tempo. É um legado oriental, nós, ocidentais, temos muita dificuldade com ele. Somos de energia Yang, ativa, então, na maioria das vezes, entendemos que para resolver qualquer situação devemos falar, esbravejar, reivindicar. Não é à toa que foram os ocidentais que criaram a cura pela fala (psicoterapia).

Em nossa opinião o silêncio pode ser visto como covardia, fraqueza, falta de engajamento. Não compreendemos como podemos resolver algo calando. Por exemplo, num relacionamento, inventamos a famosa DR (discussão de relação) para acertar pontos discordantes... Mas sinceramente, eu ouço mais as pessoas reclamarem disso, às vezes cria mais confusão do que resolve.

O silenciar é ensinado pelos mestres orientais como um recurso de autoconhecimento. É o espaço no qual podemos nos ouvir, o silêncio é Yin, passivo, receptivo ele é o primeiro passo para um bom diálogo. Saber ouvir é uma arte que só se pode fazer em silêncio, não só o da boca, mas o das emoções também, se colocar vazio, receptivo, sem julgamentos, para o que virá é a melhor forma de começar a resolver uma questão.

Aqui não estou sugerindo o mutismo, mas uma fala repleta de silêncio interno. Então, minha querida @THistórias, a resposta que eu tenho para você é: Sim! Deixar de falar pode ser a grande solução, mas este deve ser um silêncio meditativo, rico em possibilidades, amoroso. Calar por raiva, medo, birra, não ajuda, é um silêncio sujo que não se torna receptivo à criação do novo.

Namasté!

Leia também:
Silenciar
Verdade e amor romântico combinam?
Amor, liberdade e solitude

20 comentários:

  1. Dependendo do caso, calar pode ser uma prova de sabedoria, Nanda.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. As respostas por ímpeto, nem sempre são as mais acertadas. As vezes calar, e pensar mais no assunto, nos faz chegar a conclusões muito mais racionais.

    ResponderExcluir
  3. Pois é , meu "tagarela interno" é mesmo um serzinho irritante. O "meu silêncio interior" vive dizendo pra ele - posso "falar" agora?

    ResponderExcluir
  4. Nanda,

    O silêncio pode ser o mediador do tempo, mas diante de uma injustiça ou de uma briga temos de nos calar tb?
    Isso nunca fez o meu estilo! Falo mesmo e falo com gosto!

    bjo

    ResponderExcluir
  5. Oi,Nanda

    às vezes calar é sábio impede que falemos coisas das quais possamos arrepender-nos...Mas, bate o bichinho do orgulho e temos que ter a última palavra...

    beijos no coração!!

    Rosana

    ResponderExcluir
  6. Dade:

    Sim, eu também acho!
    Bjão!



    Michella:

    É disso que o texto fala. Afinal temos tempo para tudo!
    Bjão!



    Nino:

    Com você não tem jeito! rsrsrs
    A piada brota nos cantos mais improváveis!
    Bjão!



    Mylla:

    Foi isso que eu disse; nós ocidentais não imaginamos o silêncio como algo que pode também resolver.
    O silêncio não precisa ser inativo, ou omisso.
    Ele pode ser uma ferramenta muito boa para corrigir injustiças também.
    Bjão!



    Rô:

    Esse bichinho é mesmo muito metido! rsrsrs
    Mas podemos ir treinando para ele ficar calmo.
    O melhor do silêncio é podermos conhecer melhor a nós mesmos e aos outros evitando assim, injustiças e agressividades.
    bjão!

    ResponderExcluir
  7. Nanda,

    Acho que já te disse isso, mas sempre que possível visito seu blog, saiba que gosto muito!

    Você traz excelente colocações que nos fazem pensar bastante... repensar a humanidade!

    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  8. Tatiana:

    Obrigada linda!
    Esta é a intenção! Repensar para poder escolher com mais consciência!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  9. adorei o texto... tempos que não venho aqui... sei sei sou um leitor displicente, enfim
    adorei mesmo, minha vó sempre dizia, se não tem nada para falar, então é melhor ficar calado, do que ficar falando bobagem... e meu pai diz que não fala muito não se complica... sempre é bom não fala muito, o que vc não fala, não lhe compromete nem te deixa em situações ruins...
    bsos e há braços psicodelicos

    ResponderExcluir
  10. Nanda, eu sou daquelas que acham que o silêncio pode ser visto como covardia e fraqueza sim. Acho que o diálogo franco e sincero é sempre a melhor solução. Dependendo da situação, o silêncio pode ser comparado à fuga, tipo, deixar o tempo passar para o outro refletir melhor e acabar cedendo ou coisas do tipo, entende? Para mim, o silêncio só acontece quando realmente não há mais nada a dizer, quando não há o que resolver, quando realmente é o fim, em se tratando de uma relação a dois.
    Por outro lado, o silêncio me é extremamente necessário em certas ocasiões, assim como a música.

    Beijos, minha querida!

    ResponderExcluir
  11. GrandeR@o:

    Vc é um leitor querido, vindo aqui ou não!
    Como já diziam os antigos o silêncio é ouro!
    Bjão!



    Du:

    Essa é a visão mais comum do ocidental. Não compreender o profundo do silêncio é nossa cultura, mas tente perceber isso por outro ponto de vista e saberá que nem sempre silêncio significa fuga e covardia.
    Às vezes é o espaço necessário para se criar solução em que um lugar abarrotado de palavras e ideias não consegue.
    Vc conhece a história do buscador, o mestre e a chícara de chá transbordante?
    Bjão!

    ResponderExcluir
  12. Eu não gosto do silentium. Sou adepta ao diálogo. O silêncio nunca me esclacereceu nada; só me deixa com muita coisa em mente.
    A minha idéia é que se eu me mantenho em silêncio eu dou o direito de alguém pensar por mim...
    Prefiro pensar, falar e ouvir. Não necessariamente nesta ordem, deve haver variações.

    Mas como tudo; penso que essa é mais uma das situações relativas...

    Até mais Nanda. Beijo.

    Auda

    ResponderExcluir
  13. Olá Nanda
    Interessante o tema, embora o silêncio esteja cantado em prosa e verso, pois faz parte de alguma forma da nossa vida relacional. É preciso passar pela experiência, vivenciar esse momento para definí-lo, ou melhor sentí-lo, perceber a sua grandeza ou a sua inferioridade. Só sei que na minha experiência como terapêuta pude presenciar silêncios lacrimosos, como os que se seguiram de catarses, momentos significativos que tiveram seus aprendizados e também crescimento interior. Silêncios de superação, de rompimento com resistências guardadas ao longo do tempo, em estado de sofrimento.

    ResponderExcluir
  14. Olá Nanda! Gostei do post, e concordo mesmo com o que vc disse.
    Silenciar é para os inteligentes de alma.
    Obrigada por aceitar a sugestão.
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Auda:

    Acho que você ainda não experimentou do silêncio que estou falando...
    Mas a primeira parte desse silêncio é como você descreveu: "muita coisa na mente".
    Inclusive é para isso que serve este silêncio para vermos quantas coisas temos na mente.
    Você ainda está muito arraigada ao conceito ocidental de silêncio, se puder leia mais sobre meditação e então pode ampliar esta ideia.
    E sim, relatividade é tudo, como diz na bíblia tem tempo para tudo, inclusive calar e falar.
    Bjão!



    Gilvan:

    Também concordo que os melhores conceitos são tirados das experiências bem vividas, a partir de uma mente aberta e saudável.
    E que tem muito mais no silêncio, às vezes, do que em muitas palavras.
    Bjão!




    Tata:

    Que bom você ter gostado!!!
    Acho que essa frase que você disse resume tudo, e por incrível que pareça é através do silêncio interior que atingimos esta inteligência!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  16. Silêncio meditativo...
    Quem me dera...

    ResponderExcluir
  17. Anderson:

    Não, querido...
    Ninguém pode lhe dar isso.
    Você tem que treinar mesmo!
    Comece hoje!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  18. Nanda, calar e falar...
    Sou a favor do diálogo, sempre.
    Se é um diálogo silencioso, ótimo.
    Se é um diálogo falante, ótimo.
    Legal é dialogar. Isso implica em ouvir com os ouvidos e com o coração, com a alma e com o espírito. A boca verbaliza. Apenas isso. Os olhos tbm "falam", apenas isso. Quem realmente ouve? Quem realmente entende os sons? Entrar em contato com seus sentidos, com todos eles. Para falar com sabedoria e ouvir sem sede de julgamentos. Só a maturidade nas relações possibilita isso. Existe tempo e modo para todas as coisas, não é?

    Beijos da @Ana_FAngel

    ResponderExcluir
  19. @Ana_FAngel

    Você falou tudo! Nada a complementar!
    E sim, existe tempo para tudo, falar e calar.
    Diálogo é o que acontece com tudo que vive.
    Bjão!

    ResponderExcluir
  20. Se manifestaram o silencio poderá ser cobardia ou bravura, o silencio transforma a questão sensibiliza o caráter ,modifica a certeza num angulo diferenciado com a logica subjetiva da consciência,formulando a iniciativa a força do ser, do caráter de usura com o mental, numa perspetiva de sociedade congenere ao dialogo da verdade da justiça no espaço da sociedade vivendo o coletivo abrangente do não individualismo progressando da sociedade de logica coletiva na defesa do essencial da humanidade do planeta, em regra se vive a indiferença procriando por o individualismo da sociedade sera sociedade coletiva ou não sera sociedade coletiva o individualismo propõe a destruição da humanidade do planeta não existe teoria sim conclusões quando os silêncios se redobram em análise esclarecedor processa a intenção do esclarecimento dos silencios da humanidade do planeta Carlos

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.