sexta-feira, 22 de julho de 2011

Vida Poética



Religião é feito poesia. Não é uma comunicação que está na cara, é mais como um texto cifrado. É preciso decodificá-lo e nem sempre o melhor caminho é o uso da razão. Eu tenho dificuldade com poesia, não gosto de ficar muito tempo tentando saber o que o autor quis dizer com tantas figuras de linguagem, normalmente prefiro o texto direto, uma prosa enxuta.

Quando me atrevo a escrever algo parecido com poesia é sempre com palavras objetivas e diretas, mas sei que para quem aprecia o estilo poético, bom mesmo é ir descobrindo pouco a pouco o segredo do poema.

Penso que religião ou a religiosidade (porque não estou falando aqui sobre instituições e sim sobre um estado mental e os rituais que despertam este estado) é um poema a ser desvendado, um mistério em que o núcleo está escondido e só indo muito profundamente, devagar, e com dedicação você toca.

E quando chega lá é uma experiência, não uma explicação, que você encontra e isso não é possível de passar para outra pessoa. A única coisa que se pode dar é o poema e dizer: leia e sinta, tenha sua própria vivência deste mistério.

A religião e a poesia são caminhos para se desfrutar de nosso aspecto mais refinado, do nosso supérfluo, daquilo que só chega depois de nossas necessidades básicas serem supridas. E aqui eu não estou falando que pessoas pobres não chegam neste ponto. A riqueza aqui é a compreensão de plenitude interior. Porém segurança, conforto e alimentação mínima devam existir, senão não é possível penetrar no domínio da beleza, religiosa ou poética.

Alimentemo-nos também de poesia e religiosidade, essa é nossa beleza, nosso “upgrade”, nosso potencial de refinamento. Decifremos o código com sensibilidade e afeto. E em retribuição a vida retorna mais gostosa.

Namasté!

Leia também:
Vida Bumerangue
Sabedoria, coragem, fé 

7 comentários:

  1. Maravilhoso! Adorei a comparação. As experiências internas, sensoriais, espirituais, emocionais, sexuais, são únicas para cada indivíduo. Pode haver identificação de pessoa para pessoa, mas, o sentimento que surge da experiência, só cada um pode dizer e ao seu modo. Muito bom!
    Beijos e bom início de semana.

    ResponderExcluir
  2. Adorei, boa analogia, acho que o texto resume o sentido do que é ser religioso p´ra mim.Bjs minha lindona.

    ResponderExcluir
  3. Ola amada,
    Venho com muito crinho lhe oferecer o selinho..
    BLOG INTERAÇÃO DE AMIGOS
    http://sandrarandrade7.blogspot.com
    oferece o selinho bem especial para vc. passe lá.
    Vou te esperar.
    UM CARINHO PARA TODOS OS MEUS VISITANTES E SEGUIDORES. O AMOR UNI PESSOAS.
    A INTERAÇÃO DE AMIGOS OFEREÇE PARA VOCÊ QUE SEMPRE ESTÁ AQUI. OBRIGADA PELA SUA COMPANHIA.
    SANDRA
    P.S- SUA VISITA É MUITO ESPECIAL..

    ResponderExcluir
  4. Eu achei uma injustiça com os poetas e as poesias. Poesias não excluem umas as outras; Poesias nunca motivaram matanças, guerras, inquisições; Poesias não prometem céus, infernos, prosperidade, vida eterna, mil virgens nem qualquer outro prêmio nem castigo. Eu não preciso de fé para apreciar uma poesia, não preciso acreditar no poeta para gostar da poesia. Resumindo eu vou com Karl Marx: "A religião é o ópio do povo"

    E já que estamos falando de poesia, vou terminar rimando.

    Poetas são amantes. Profetas traficantes.

    ResponderExcluir
  5. Maria Eliane:

    Sim, e acho que a poesia e a religião evocam isso, a própria descoberta, dando só pistas do conhecimento para que a gente sinta da maneira que nos aprouver.
    Bjs!



    Marinho:

    Que bom! Eu também achei que era assim para mim!
    Bjão!!!




    Sandra:

    Obrigada pelo presente!!!!
    Xero!




    Anderson:

    Oi querido, vc está, de novo, confundindo religião com instituição e pessoas políticas que se apoderam dela para seus próprios propósitos. Também acho isso ruim, manipular um conhecimento para benefício de sua própria ideia de mundo, não é bom. Mas não é disso que estou falando.
    Falo do estado mental religioso, este que vc descreve que tem, mas não chama assim, por acreditar que o ligaria as pessoas institucionalizadas, que segregam, condenam, violentam. Não precisa ser religioso para isso, militares também fazem assim. E se duvidar até o próprio Marx que incitou um grupo a ir contra outro de acordo com suas crenças.
    Cuidado! Que vc pode estar indo pelo mesmo caminho que tanto abomina.
    Xero!

    ResponderExcluir
  6. Nanda, interessante a sua comparação. Eu prefiro falar sobre poesia do que religião.

    Às vezes escrevo segredos numa poesia, porém, normalmente, elas são decifráveis sim. Concordo com voce que tem muitas poesias complexas e também... faz com que tenhamos que imaginar. Só que a imaginação de cada um é um universo a parte, dificilmente vamos saber o que se passava na cabeça de um desconhecido autor.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Sissym:

    Na minha opinião não
    há como falar de uma sem falar na outra... rsrs
    A nossa imaginação é o mundo da poesia!
    Bjs!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.