quarta-feira, 28 de julho de 2010

Comer Rezar Amar


Elizabeth Gilbert
Tradução: Fernanda Abreu
Rio de Janeiro: Objetiva, 2008



Relato de uma busca por si, contado de uma forma bastante intimista, parece até que estamos lendo uma carta longa de uma amiga descrevendo suas peripécias de viagens interiores e exteriores. Leve toque cômico, o que deixa a trágica angústia existencial boa de encarar.

Acredito que todos passamos por esse dilema do que estamos fazendo com nossa vida, mas poucos capitalizam isso. Elizabeth capitalizou de todas as formas possíveis. Ela se superou, se reencontrou e ainda vendeu prá caramba! (a capa do livro informa mais de quatro milhões de exemplares vendidos).

Gostei especialmente da parte da índia, me identifiquei com o conhecimento sobre Ioga que ela mostrou de uma forma bastante apurada. As idas e vindas de um processo de crescimento pessoal estão bem retratadas e as explicações sobre filosofia oriental, são muito coerentes.

Três personagens me chamaram atenção: uma amiga (Susan), o americano no ashram e o curandeiro balinês. Parecem mestres a apontar o caminho. O livro tem até final feliz e romântico. Muito divertido, instrutivo e bom para refletir sobre quem realmente somos.

Boa leitura!

Outros livros:
Treinando a emoção para ser feliz
Amor, liberdade e solitude
Livre-se do medo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.