sábado, 11 de setembro de 2010

Escolha de Sentimento




Visualizei outra coisa legal! (ver texto do dia 07/09/10). Se nós podemos escolher como vamos nos sentir... Ninguém mais pode nos trair! A menos que você decida que vai experimentar o comportamento do outro como traição. Ninguém pode enganá-lo, porque só você pode viver sua vida e ter seus sentimentos. Se você experimentar algo de certa maneira foi essa a sua verdade, não a do outro.

Vou tentar explicar... Ouço muitas pessoas sofrerem por se sentirem traídas, pode ser o cônjuge que mentiu e teve uma relação extra-conjugal, quando prometeu monogamia; pode ser um filho que usou drogas quando prometeu não fazê-lo, pode ser um amigo que prometeu sempre apoiar e na hora "H" tira o corpo fora. Mas o sentimento de traição, a sensação de ter sido feito de bobo ou de que viveu uma mentira é uma das lamentações mais constantes da experiência humana.

Bom, eu vi que se mudarmos a forma de ver essa situação podemos sofrer menos e superar melhor o evento ou mesmo não nos sentirmos inferiorizados se um ente próximo decidir mentir para gente. E isso é uma coisa que acontece sempre, mais cedo ou mais tarde, alguém será enganado. E nós passamos muito tempo de nossas vidas e gastamos muita energia com medo e tentando criar estratégias que evite o outro de mentir. O que raramente funciona...

Assinamos papéis, fazemos juras, vigiamos, ameaçamos e... Nada funciona! Mas cedo ou mais tarde alguém chega e mente! Pensei... E se mudássemos isso na gente? Se mudássemos a programação dentro de nossa mente? E se não esperássemos controlar o outro e sim nossa própria idéia e reação sobre isso?...

Continua no próximo texto.

Namasté!

Leia também:
Felicidade transferida
Ciúme
Infidelidade

11 comentários:

  1. Nanda amei seu modo de penssar, você falou de um ponto que afeta todos nós, queria ter a força suficiente para poder ignorar as mentiras que nos cerca, teve até uma vez que um amigo meu marcou de viajar comigo e desistiu na hora agar fiquei muito decepcionado com ele, mais no outro dia que ele veio falar comigo eu tratei ele super bem, imaginei que se um dia eu errar em algum aspequito com ele não terá que reclamar de nada! Espero que tenha entendido meu ponto de vista. Parabéns seu blog é muito bom serei agora um dos seus leitores.

    bye...

    ResponderExcluir
  2. Alex:

    Obrigada! Eu tenho me surpreendido muito, pois achei que as pessoas ficariam chocadas com minhas sugestões, fico feliz de estar sendo entendida!
    Espero que volte sempre!
    Quanto à sua atitude, para mim é uma das melhores! Podemos nos comportar de maneira mais adulta, este comportamento nos traz mais benefícios!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  3. Oi Nanda. Essa é uma filosofia muito espiritualizada. Os espiritas usam muito isso quando dizem que precisamos nos mar par apoder amar ao próximo (e ao distante); que precisamos crescer dentro para expandir fora. Que se não nos conhecemos e não aceitamos as coisas eles avultam e perdemos o rumo e nos decepcionamos. Devemos buscar fazer como o beija-flor que tentava apagar o fogo na floresta, quem quiser que o acompanhe. Grande beijo.

    ResponderExcluir
  4. Nanda querida,
    A cada dia fico mais impressionada com o poder da sua escrita!
    Você toca nossa alma de um jeito muito especial!
    Parabéns e obrigada por tanto sentimento compartilhado!!
    É um tema difícil, mas absolutamente relevante!

    ResponderExcluir
  5. Marcos:

    Obrigada!
    A ideia é inspirar quem lê a experimentar esse raciocínio.
    Mesmo que seja uma pessoa só!
    Bjão!



    Tatiana:

    Que bom saber disso!!!!
    Também acho que é um tema difícil, pois machuca muito e achamos que não tem outra forma de passar por isso, mas vamos tentando, não é?
    Bjão! E Obrigada!!!

    ResponderExcluir
  6. olá,Nanda

    Nossa! tema por demais espinhoso e ,diria até polêmico né !Nós temos que aprender é não criar expectativas em torno de ninguém mais é difícil, e infelizmente criamos e consequências :decepção ,mágoa.
    Mente é tudo! o céu e o inferno está em nós ..

    Beijos nesse caloroso coração!

    ResponderExcluir
  7. Nanda, isso é complicado, porque traição é algo que toca profundamente. Pode haver perdão, mas nunca esquecimento. Algumas vezes podemos ser a causa da outra parte trair, se reconhecemos isso fica mais facil. A traição é uma tremenda decepção, especialmente quando vem acompanhada de algum tipo de violencia.

    ResponderExcluir
  8. Prefiro não me identificar, adorei tua reflexão.A 20 anos, dou plena liberdade pra meu companheiro ter e fazer o que sentir vontade de fazer,admito a liberdade dele e cultivo a minha é claro que o amor é uma coisa o desejo outra e experimentar faz parte da vida, eu sigo esta filosofia, é difícil! Mas possível.
    Ninguém é feliz prisioneiro de medos ou promessas.

    ResponderExcluir
  9. Nanda, ótimo o texto! Somos donos do nosso mundo interior e podemos mudar e explorar o que quisermos né. Mas eu acredito que em alguns casos, é perigoso tentar camuflar os sentimentos... Eles são o que mais diz respeito sobre o momento em que a pessoa está vivendo. A aceitação e a analise deles são fundamentais. Mas eu acho totalmente válido a maior compreensão sobre as mágoas e a consciência de que nem sempre seremos amados e compreendidos por todos. Eu acho que independencia é a palavra chave nesse caso rs.
    Tá aí minha humilde opnião ;)

    Bejãão!

    ResponderExcluir
  10. Nanda,

    penso que há um fundo de responsabilidade nossa na traição.

    Percebo que quando deixamos de ser assertivos com nós mesmos, ou seja; traímos nossos princípios e convicções em nome do outro, abrimos um canal para esta vibração e energia triste.

    Quando dizemos sim, sentindo e querendo o não... e vice versa! Seja na amizade, no amor, no trabalho e na vida.

    Quando optamos pela máscara social do "bom-bonzinho", acabamos capachinho.

    Aprender a ser honesto e sincero consigo mesmo, como diz (acho) Paulo nas Escrituras: "Ser sim quando sim, ser não quando não".
    Ou não conseguiremos ser honestos e sinceros com os que nos cercam e com a vida. A vida nos trata como a tratamos, não é o que costumamos ouvir?

    Por medos "Ns" abandonamos nosso amor próprio e a auto-estima em detrimento do externo e da aparência social (hipocrisia).

    Medo de não ser aceito, de ser enganado, trocado e por fim traído. Medo como fuga, medo de viver...

    Se fui traído, me pergunto: Quando me trai primeiro?

    Xero grande!

    ResponderExcluir
  11. Rô (Anônimo):

    Rrsrsrs Eu também achei, até fiquei pensando que me atirariam tijolos pela ousadia...
    Temos que aprender a não criar expectativas irreais dos outros!!
    Concordo com tudo que disse!
    A gente precisa ver que nós criamos nosso inferno!
    Bjao!



    Sissym:

    É por isso que estou sugerindo uma maneira diferente de encarar essa ação dos outros!
    Reconhecer nossa responsabilidade no que acontece com a gente é o primeiro passo para viver bem!
    Bjão!



    Anônimo:

    Tudo bem não se identificar! Seja bem vinda assim mesmo!
    Obrigada!!!
    Parabéns!!!!
    Eu agradeço muito seu depoimento, acho que precisamos aprender a ser mais livres no amor!
    Eu também já me liberei de controlar meu parceiro, ele é livre para fazer o que quiser, inclusive se monogâmico! rsrsrs
    Eu também cheguei a essa conclusão: Nenhum prisioneiro é feliz!
    Volte sempre!
    Bjão!



    Bia:

    Obrigada querida!
    Também acho ruim camuflar sentimentos, essa não é minha sugestão. O que estou dizendo é reconheça o que sente e saiba que pode escolher se sentir de outra maneira.
    Só assim há liberdade e independência!
    Agradeço sua opinião! Ela é muito importante e eu fico muito satisfeita com sua visita!
    Bjão!



    Arierm:

    Também acho que somos responsáveis pelo que acontece conosco!
    Assino em baixo do que vc escreveu!!!
    Inclusive acredito que curando o medo, viveremos muito melhor! É nossa percepção distorcida pelo medo que nos faz agir contra nós mesmos e consequentemente contra todos!
    Xerão!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.