sábado, 18 de julho de 2009

AMOR EXCLUSIVO


Exclusividade no amor, esse é o critério que ainda usamos para verificar um “amor verdadeiro”. Decidimos que o principal fato no amor romântico é a retirada dos outros da equação, devemos ser únicos, principalmente, sexualmente. Ficamos tão preocupados com essa tal exclusividade que esquecemos de amar...Isso nos perturba tanto que perdemos o melhor do relacionamento.

Vigiamos horários, roupas, celular a procura de provas de uma falha, isso toma conta de nossos pensamentos e ações. Temos que ser os únicos para sentirmos o amor do parceiro/a. Esse tema está na TV, nos livros, nos consultórios psicológicos, nas fofocas, nos escritórios de detetives... Povoando nossas mentes e criando realidades. Já vi pessoas dizerem que quando se envolvem com alguém começam a sofrer intensamente porque é certo que serão “traídas” em algum momento. Então essa certeza cria um pensamento paranóico que os fazem agir como loucos, atrás de provas dessas certezas; claro que esse é um dos maiores graus de perturbação, mas em menor escala todos vivemos assim, “confiando/desconfiando”.

Acredito que ficamos assim, por acreditar que o amor romântico exclui atração e interesse por outras pessoas. Vivemos uma ilusão, que o relacionamento amoroso supre todas as necessidades do casal e se um ou outro, sair dessa simbiose é porque o amor acabou. Eu não sou mais “importante” para o outro! Eu não sou mais única/o! E por aí vai o drama.

As relações, fora da dupla principal, são vista como ameaça ou traição ao amor, humilhação, falta de respeito. O casal se promete estagnação eterna, mas quando não conseguem cumprir o que prometeram, porque é impossível, ficar parado no primeiro estágio do amor para sempre, fazem drama se desesperam se sentem menos importante. Penso que esses sentimentos fazem mais parte da vaidade do que do amor, o amor verdadeiro é um fluxo inteligente e sabe que não há como parar a torrente de evolução. A vaidade é egocentrada e estética não compreende o fluxo, pois é frágil, está voltado para o comportamento do outro, para se dar valor. Neste caso quem me valoriza é o outro e se este não está totalmente encantado por mim eu perco valor. Isso é infantil, “amamos” como bebês que necessitam de alguém totalmente envolvido com eles para sobreviverem.

Podemos crescer, amadurecer e amar sem medo de não ser exclusivo, para daí ter a surpresa que podemos sempre ser escolhidos pelo parceiro/a representar todos os outros homens e mulheres. Não é uma exclusividade estática, mas dinâmica na qual momento a momento o parceiro/a faz uma escolha entre todos os desejos que ele pode ter. E nos escolhe, não porque prometeu, mas porque pode e quer, não porque somos os únicos, mas porque estamos fazendo o melhor encaixe naquele momento. Então tenhamos coragem de amadurecer para experimentar um amor elevado.

Namasté!


Leia também:

24 comentários:

  1. Nanda,

    Eu concordo em gênero e grau com vc...
    Mas eu tenho um exemplo clássico, aliás eu estou vivendo um exemplo clássico... Guilherme anda muito inseguro ultimamente. Fala de traição de uma maneira insegura, como se eu fosse traí-lo a qq segundo, questiona qdo digo que o amo... Tem horas que dá vontade de jogar tudo pro alto e cair fora...
    Ele é muito complicado de amar...
    Mas ao mesmo tempo eu sei que ele está fazendo um bem enorme ao meu coração... E pq não dizer a alma tb?

    Bom fim de semana!

    Bjão

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto, Nanda!

    Quando vc escrever um livro vou querer autógrafo! rsrs

    Bjão

    ResponderExcluir
  3. Olá Nanda,

    Brilhante e abrangente teu texto!
    Reaprender a sentir e entender como e porque. Perceber o tamanho de nossos egos e de nossa incompreesão.
    Crescer na evolução!

    Namasté.

    ResponderExcluir
  4. Mylla:
    Tenho acompanhado essa sua aventura!Espero que aprenda muito, pois situações complicadas sempre nos instigam a ser mais sábios!
    Bjão!


    Maurício:
    Vc muito me honra com sua presença, pois sei que não comenta em blogs!
    O autógrafo já está garantido! Mas eu também quero o meu! Cineasta!
    Bjão!


    Selena:
    Muito obrigada pelo elogio!
    Isso! Vc captou bem a essência!
    Namasté!

    ResponderExcluir
  5. Oi Nanda!
    É difícil traçar algumas diretrizes quando o assunto é relacionamento a dois. Penso que o melhor a fazer é não tentar sufocar o parceiro, exigindo exclusividade extrema, é preciso perceber que temos vida fora do relacionamento-digo vida social, grupos de amigos de ambos, a vida no trabalho, metas individuais a cumprir, etc. Não acredito que um relacionamento possa não fracassar baseado na dominação(tanto física-espacial, quanto dominação 'sentimental' onde chantagens egocêntricas poder por tudo a perder num relacionamento promissor). Por fim , há a questão da atual disputa de sexos, que na verdade é o grande causador de todos os problemas acima...ainda somos imaturos nessa área, infelizmente.

    ResponderExcluir
  6. Nanda querida,

    Este teu post é muito sábio e muito esclarecedor também!

    Me fez muito bem a leitura do mesmo, pois veio esclarecer alguns pontos sobre relacionamentos que têm bagunçado um pouco a minha vida ultimamente, hehehe!

    Nanda, sem querer ser puxa-saco, a sua forma de escrever e de desenvolver um tema é muito boa, mesmo!

    Adoro te ler. Obrigada por me avisar por e-mail!

    Amei a imagem do casal que escolheu também!

    beijinhos,

    Neli

    ResponderExcluir
  7. Oi amore!
    Amiga eu sofro isto na pele!Meu marido é muito ciumento!Acha que vou traí-lo com qualquer um o que é pior.Faço tudo para deixá-lo seguro e eu que deveria ter ciúme porque ele é massoterapeuta mas não tenho.
    Trabalho gerenciando uma equipe de homens ( para piorar) mas conseguir a proeza dele superar este fato mesmo porque minha vida profissional é inquestionável e eu nunca abriria mão do meu emprego porque amo o que faço.
    Não sufoco,não tenho crises,não cobro mas estou pensando em mudar a tática dar uma de doida mesmo para ver se ele sentindo na pele gosta disso hauauhauhauhhau.

    ResponderExcluir
  8. Só um pequenino comentário, a acrescentar tudo o que foi dito:

    FAÇAM DESAPARECER A PALAVRA CONQUISTA.

    Quando desaparecer o(a) caçador(a) e a presa... tudo muda, acredito.

    Um óptimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  9. Muito legal essa mensagem.
    Desafiante e exigente é o exercício de produção de novos sentidos para o amor e o amar.
    Um desafio
    que confronta as referencias culturais, simbólicas e práticas amorosas antigas com novo e diferente jeito de amar.

    ResponderExcluir
  10. Nanda, parabéns!
    Seu blog é interessantissimo!
    Os artigos são com temas muito necessários, bem escritos e de leitura leve e gostosa. Já me tornei seguidora.
    Um forte abraço!
    Débora Martins

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Aqui quem fala é o Murilo, dos blogs Palavras de Osho e Os nascimentos das palavras.
    Assim como você e dezenas e dezenas de outros amigos blogueiros, eu participava das blogagens coletivas do Tertúlia Virtual, belíssimo projeto de promoção de blogagens coletivas que infelizmente chegou ao fim em julho de 2009.
    Para mim, a inicitativa do Tertúlia foi responsável pela realização de muitas das melhores blogagens coletivas da blogosfera em língua portuguesa.
    A idéia de a cada mês reunir blogueiros em torno de um tema foi tão bem-sucedida que não podemos deixá-la morrer.
    Para colaborar, lancei o Vou de coletivo!
    Todo dia primeiro do mês será proposto um tema para ser abordado por blogueiros por meio de textos, imagens, vídeos e o que mais a criatividade permitir.
    Assim que o tema do mês é apresentado, é aberta uma lista de inscrições. Basta você inscrever sua postagem que automaticamente será inserido um link para ela na relação de participantes. As inscrições ficam abertas o mês todo.
    E você, gostou da idéia? Espero que sim!
    Então não vamos perder o embalo. Logo sai o primeiro coletivo de 2009! Clique aqui e acesse o Vou de coletivo!
    Abração!

    ResponderExcluir
  12. Oi Nanda!!

    Acho que o segredo é a gente sempre se valorizar para que o outro nos valorize também...

    E essa paranóia de sempre ficar desconfiando do outro, "esperando" a traição, é pura vaidade mesmo... concordo quando você diz que quem se preocupa apenas com isso, esquece de amar verdadeiramente... a pessoa está mais preocupada com sua "reputação" do que vivenciar o amor em si...

    Como sempre, um texto ótimo pra se refletir...

    Grande beijo, boa semana pra você!!

    ResponderExcluir
  13. Marcos Vinicius:
    É preciso nos lembrar que o amor só nos torna um na esfera do sentimento, no dia a dia somos dois mesmo! Com vida separadas inclusive.
    Acredito que por isso o casamento na maioria das vezes falha, pela tal da dominação e guerra dos sexos.
    E para fechar com chave de ouro nossa imaturidade afetiva.
    Ótimo! Vc complementou muito bem meu texto!
    Obrigada!
    Abração!!!


    Neli:
    Obrigada!
    Que bom que pude ajudar!
    Sabe que eu também gosto do que eu escrevo?! Aprendo muito também!
    Que bom! Então já tenho uma fã!
    Estarei sempre enviando por e-mail!
    Também gostei muito da imagem, casou perfeitamente!!!
    Beijocas!


    Lília Amorim:
    Esse tipo de relacionamento é difícil! Meu parceiro era assim, mas hoje está curado. Mas ele fez um processo terapêutico, a gente sozinha, não dá conta não!
    Ele precisa se tratar.
    Não acredito muito nesta tática que vc está pensando, acho que vai piorar pois vai deixá-lo mais inseguro.
    Aconselho um bom terapeuta e tempo.
    Tem um floral que pode ajudar Chicory e Holly.
    Agora se sua tática der certo eu quero saber!!!
    Bjão!


    Entremares:
    Sim isso é muito importante! Podemos sair dessa vida de caçador já!
    Bjão!


    Carlos Silvan:
    Disse tudo e de uma forma bastante científica, parabéns professor!
    Bjão!


    Débora Martins:
    Muito obrigada por tudo!!!! Sabe que eu também gosto do Múltiplas pelos mesmos motivos! Principalmente por ser leve!
    Abraços! E volte sempre!


    Murilo:
    Ótima ideia estou dentro! Vou la´dar uma olhada!


    Regina:
    Precisamos observar e conhecer nossa vaidade, é a única forma de usá-la a favor!
    Obrigada pela gentileza de lê-lo e comentar!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  14. Olha Nanda, confesso que sou territorialista e ciumento, comigo é sem churumelas pois sou um bufalo reprodutor.

    Mas pra mim o problema reside é nas amizades masculinas e sair pra lugares toscos. Isso é inaceitável. O resto mantem a individualidade numa boa.

    ResponderExcluir
  15. Aloha amável nanda!!! Nossa que texto...Voltarei!!

    Tem email pra vc. sobre grata surpresa...Vixxxxxxxeeeee!!!

    Forte Abraço e bjinss!!

    Hod.

    ResponderExcluir
  16. Sílvio:
    Ok, neste caso o bom é que vc tem consciência disso, então pode avisar a mulher seu estilo.Manter individualidade é saudável para um relacionamento.
    Bjs!



    Hod:
    Obrigada e volte sim!
    Vou responder o e-mail.
    Abraços e bjs!
    Aloha!!!!

    ResponderExcluir
  17. ACHO QUE VOCÊ TOCOU NUM DOS TEMAS MAIS COMPLEXOS PARA A EVOLUÇÃO DA HUMANIDADE: -O AMOR LIBERTO!!!!
    ESSA QUESTÃO DO AMOR EGOÍSTA, DEPENDENTE DA APROVAÇÃO ALHEIA É A PRISÃO DA HUMANIDADE...
    O PONTO MÁXIMO DA NOSSA EVOLUÇÃO COMO SER HUMANO É O AMOR LIBERTO, POIS ESTARÁ ALICERSSADO NO AUTO-CONHECIMENTO, NO RECONHECIMENTO DA NOSSA UNIDADE, OU SEJA, NOSSA DIVINDADE!!!! A NOSSA BUSCA...
    NAMASTÊ.

    ResponderExcluir
  18. Belo post. Creio que, quanto ao sentimento de posse, isso é típico de nossa sociedade. A gente quer POSSUIR as coisas, e, num relacionamento a dois, acaba querendo ser DONO(A) do parceiro(a).

    É muito difícil fugir do ciúme nessa situação, o medo de ser traído vem do fato que, hoje, a maioria das pessoas encara seus relacionamentos como CONTRATOS.

    Olha, mundo, aonde a gente foi parar?

    Shisuii

    ResponderExcluir
  19. Nanda,
    Imagino que qualquer relação que tenha como fundamento: Dúvida e Desconfiança. Sabotagens e álibis. Medos (exceto o emocional). Ressentimentos, mágoas e rancores não vai properar.
    Já ouvi argumentos do tipo: Não sou feliz, mas tenho alguém que me diz a todo instante que me ama!

    Absurdo ou não???

    Excelente o texto.

    Obrigado pele retorno as mensagens!!!
    Tem novidades lá no blog!!

    Bejuuss!!

    Aloha!!
    Hod.

    ResponderExcluir
  20. Mais um texto ótimo Nanda! Amor não precisa de provas nem de "cadeia"não é mesmo? As pessoas devem ser livres para amar!
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Diana:
    Sim, isso é difícil até para mim que estou propondo!Mas acredito que é uma amor de melhor qualidade!
    Namasté!


    Shisuii:
    Esse sentimento está muito ligado à biologia, nossa sociedade ainda é pautada por essa via.
    Estamos cada vez mais saindo disso, mas o processo ainda leva milhares de anos!
    Obrigada!


    Hod:
    Sim, a nossa forma de amar ainda é absurda!E não prospera mesmo!
    Vou lá ver as novidades!
    Aloha!


    Tita:
    Obrigada, querida, que bom lhe ver aqui, lendo meus textos. Sua opinião é muito importante, pois é uma leitora técnica além de afetiva!
    Sim, já podemos ir nos livrando de aprisionamentos mentais, quanto mais livre o ser melhor o amor!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  22. Só vou contar uma historinha que lí há algum tempo:"Era uma vez, um homem que amava sua esposa, porém tinha uma amante que amava também! Os três viviam muito felizes! Um belo dia, a esposa descobriu, criou o maior caso e os três se tornaram infelizes!"
    (Para os que acharem a história machista, podem colocar a mulher como a personagem que tinha um amante)
    Moral da história? Talvez esse texto da Nanda aí em cima, explique um pouco!

    ResponderExcluir
  23. Land.Nick:

    Eu espero que não só explique, mas que ajude as pessoas a admitirem suas oscilações para poderem ser mais honestas consigo e viverem mais felizes, sem precisar forçar algo que, por enquanto, a natureza ainda não deixa! rsrsrs
    Queremos deixar de ser animais na marra e não é assim que a banda toca. Um fruto só cai da árvore depois de maduro.
    Bjão!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.