quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Aguar Filhos: A educação do jardinar




Para que uma roseira desabroche sua mais linda flor, você precisa conhecer as necessidades específicas daquela roseira. Senão ao invés de desenvolvê-la, você a mata. Afinal de contas ela não é uma jaqueira, muito menos um cacto; e é preciso saber a diferença.


Para lidar com pessoas mais especificamente, pessoas recém chegadas ao planeta (crianças) é essencial saber trabalhar com elas ou estar, pelo menos, disposto a desenvolver essa habilidade de jardineiro. Que é conhecer que raio de planta/criança é essa que está em sua frente. Quem é ela, quais são suas necessidades, o que ela suporta e o que não agüenta. É solar (ativa)? Gosta de muita ou pouca água (afeto)? Gosta de sombra (proteção)?


Parece que não massificar, não generalizar é importante. Individualizar a pessoa e saber quem ela é, potencialidades, necessidades, limites e dificuldades é importante. Saber como ela percebe a si e ao mundo, e a partir daí se relacionar com ela não com quem você acha que ela é. Dando-lhe o que precisa e não o que você acha que deve fazer por tradição, regra psicológica, últimos conceitos científicos, etc.



Acredito que é na relação, no prestar atenção à pessoa e no interesse genuíno por aquele ser diferente de você... Sim! Essa pessoa só pegou células suas para se produzir fisicamente, ela não é um clone melhorado seu! É um ser diferenciado, às vezes, totalmente oposto aos progenitores. E outra coisa: Ela não vai, por que não é sua obrigação, dar continuidade à sua existência, nem fazer o que você deixou de executar em sua trajetória. Esqueça! Ela vai produzir a rosa dela, fique feliz de ter sido o deu adubo. Você não é tão importante assim, seja modesto, desapareça, deixe a rosa brilhar ir para sua perfeição.


Paternidade/Maternidade são apenas funções, elas não são eternas, um dia essa atividade acaba. Faça seu serviço direito e você verá o quanto “desimportante” você é. Mas não tenha medo! A partir daí outra relação nasce, uma amizade, um amor profundo entre seres humanos e então vocês podem caminhar juntos, lado a lado como dois forasteiros numa jornada chamada vida!


Namasté!

Leia também:


8 comentários:

  1. Olá, Nanda
    Sim ,crianças são como flores do nosso jardim. precisam ser podadas,Adubadas para florescer com todo seu resplendor na primavera da vida.Ah ,e são individualidades merecem respeito!.Quando era criança detestava ser comparada com fulana ou Beltrano e hoje tenho cuidado para não descampar para esse. equívoco..

    Achei esse teu post tão poético parabéns!!
    Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com vc: ser pai/mãe é um cargo comissionado cedido pelo Pai/Mãe-Natureza!! Um dia o mandato acaba, e antes mesmo que nos preparemos. Os nossos filhos são, antes filhos da humanidade. Num SENTIDO FIGURADO...

    Irmandade

    São filhos do lavrador,
    do professor, da lavadeira,
    Prole do contador, do pescador,
    do porteiro e da rendeira.

    Enquanto envoltos na placenta,
    Vivem num habitat estreito,
    Mas não é o ar desse mundo,
    Tão mais aguado que rarefeito?

    **************

    Obrigado pela inspiração para esses versos!!

    Bjs Nanda!!

    ResponderExcluir
  3. É isso, Nanda!!

    Muitos pais ainda não entenderam que os filhos não servem para realizar os sonhos que eles não conseguiram realizar...

    Transferir para os filhos a expectativa de que sejam o que não conseguiram ser, é desejar que seus filhos sejam extremamente infelizes e frustrados...

    E hoje em dia, os pais desejam "resultados", ou seja, o discurso é "quero que você seja alguém na vida..." e, com isso, não levam em conta o sentimento, a essência, a vontade de seus filhos...

    Estamos esquecendo da humanidade...

    Muito pertinente este post...

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Nanda quanto tempo!
    Saudades e saiba que vc é sempre querida, desejo felicidades e bom Natala, Ano Novo e muita paz!
    Beijos, CON

    ResponderExcluir
  5. RÔ:

    Não tinha visto pelo lado da poesia... Mas vc tem razão, a analogia é bastante poética!
    Seguimos, então pensando parecido, hein? Viva!
    Bjão!



    Ebrael:

    Que bom! Pensei que as pesoas ficariam um tanto ofendidas por eu dizer que a paternidade/maternidade é uma função, pois por aqui isso mais parece um ato divino! rsrsrs
    Nossa! Senti-me tão importante inspirando poesias...
    Eu é que agradeço a honra!
    Bjão!



    Regina:

    É isso! Por esse motivo eu digo que educar exige consciência de si...
    É preciso querer conhecer o filho que se colocou no mundo, e descobri o que ele quer fazer com sua vida, acompanhando-o e incentivando-o se o pai/mãe concordam, e se não explicando o porque não podem apoiar.
    Obrigada!!!!!
    Bjão!



    Con Con:

    Eita! Que bom lhe ver por aqui, depois de tanto tempo! Também estou em falta com visitas em seu blog! Mas o twitter tem me tomado muito tempo, espero ver vc por lá, mas vc nunca aparece!
    Bom final de ano para vc também e embora eu esteja sumida de suas vistas, também lhe quero muito bem!
    Um grande beijoca!

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente maravilhoso! Quero te pedir permissão pra usar em um dos meus blogs. Claro que com todos os créditos pra ti e se me permitires, quando publicar, te mando o link,tá? beijos,chica

    ResponderExcluir
  7. Chica:

    Obrigada!!!!
    Claro que pode usar!
    E quero o link sim, para poder visitar!
    Bjão!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.