quarta-feira, 17 de março de 2010

Água




Como algo tão abundante e banal se transforma em preciosidade? Nosso desleixo pelo que encontramos em abundância está prestes a ser modificado. Sempre tivemos uma postura de criança mimada a respeito dos elementos que nos compõe, os alimentos, o ar, a água. Até parece que não dependemos deles... Maltratamos, estragamos, não reverenciamos porque eles estão ali ao alcance da mão para quando precisarmos, temos olhos para guardar apenas ouro e diamante, papéis com ideias e objetos de arte. O simples, o que apanhamos fácil não damos a menor importância.

Pois bem, o que não se cuida acaba, deteriora e isso vem ocorrendo com as nossas substâncias de sobrevivência principalmente água e ar. Para nossa sobrevivência precisamos acordar urgentemente e cuidar disso, tratar como ouro e diamante. Não para cobiçar e desejar ter controle sobre, mas para reverenciar e sacralizar a existência. Dependemos disso, mas não vivemos como se soubéssemos disso. Normalmente tratamos escravos com desrespeito e é assim que lidamos com a água, ela é nossa escrava, existe para nos servir, não tem existência própria é inferior, menor, subalterna. É feita para ser usada, abusada, maltratada. Por nós criancinhas exigentes e mimadas, arrogantes e orgulhosas de estar acima de todos e à direita do pai. Quando iremos acordar desse delírio de grandeza?

Namasté!

Leia também:
Nós já estamos num mundo melhor
Dia mundial da alimentação
Um mundo solidário

11 comentários:

  1. Muito bom seu texto, até quando? Devemos cair na real, ela pode faltar.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto, minha amiga. E um alerta sempre importante, enquanto ainda há tempo. Se é que há.

    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Olá Nanda,

    Acredito que os homens tomem consciência do verdadeiro problema que acarreta a sua própria inconsciência.

    Beijos
    Luísa

    ResponderExcluir
  4. Olá amiga!
    A água certamente será alvo de muita disputa ainda. É a lei da escassez e da abundância.
    Beijo no coração, Fernandez.

    ResponderExcluir
  5. Perfeito Nanda seu texto. Precisamos abrir nos olhos e principalmente nossas mentes para enchegar o que realmente importa para nossa sobrevivência nesse mundo...

    Beijão

    ResponderExcluir
  6. Para mim a agua é muito mais que ouro e diamante.Nossa agua é tudo de bom! Como a terra ainda é um lugar cheio de morto-vivo,eles ainda não sabem o que é essa preciosidade.A agua é o maior bem que possuimos,agua é coisa de VIVO.
    Pura,limpida e cristalina,como as almas puras.

    ResponderExcluir
  7. Prícipe:

    É bom começarmos a nos mexer, daqui a pouco vamos passar sede!
    Obrigada bjão!



    Pensador Louco:

    Obrigada!! Vamos esperar que sim!!
    Bjão!



    Luísa:

    Eu também!!!!
    Bjão!



    Fernandez:

    Espero que isso não aconteça, mas estamos nos encaminhando para aí!
    Bjão!



    Auda:

    Obrigada!!! Foi isso que pensei quando escrevi o texto!
    Bjão!



    Jaqueline:

    Às vezes não damos importância ao que existe em abundância, e uma pena!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  8. Ainda não conhecia seu blog, adorei! Seu post é fantástico - as vezes tbm me pergunto até quando a humanidade vai continuar agindo desse modo... tenhamos força!

    ResponderExcluir
  9. Eliana:

    Obrigada e seja bem vinda!!!!
    Temos um longo caminho pela frente, mas eu tenho fé na gente!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  10. Nanda,
    espero que logo, o acordar, mas os que entendem e compreendem o seu texto já estão sensibilizados às questões levantadas, o problema maior é a "grande massa" e a "pequena massa", estes dois pólos antropológicos nem sequer lembram que nós mesmos somos feitos em maior parte de água, e o restante dos outros elementos que você cita.
    Que seja Breve!
    Parabéns
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Cristiano:

    Amém!
    Para nosso próprio bem precisamos fazer isso o mais rápido possível!
    Então mentalizemos para que as massas possam acelerar um pouco o processo!
    Bjão!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.