segunda-feira, 5 de abril de 2010

Senhora globalização



Pergunta de Fernanda Medeiros no Orkut (02/03/10)

“Até que ponto o processo de globalização afeta os relacionamentos? Você acha que os relacionamentos perderam sua qualidade por causa da globalização, desse processo de integração entre todo mundo? Estamos vivendo melhor ou pior?"


Penso que tudo afeta tudo, então ao facilitarmos o contato entre pessoas, os relacionamentos já existentes foram transformados e novas maneiras de se relacionar foram criadas. E isso por si só, nem é bom nem é ruim. É apenas diferente de antes. O que fazemos com essa diferença para nossas vidas é que são elas!... Eu não tive acesso, ainda, a nenhuma pesquisa ou estudo que possa avaliar o nível de qualidade nas relações em geral, na verdade nem sei se já fizeram algum estudo assim.

Então só posso falar de mim. Devo dizer que depois que entrei na internet tive acesso a um número de pessoas bem maior do que eu teria sem um computador, estendi meus braços além mar e de norte e sul do Brasil. Tive encontros ricos, com pessoas que sofrem, se viram, estão alegres, trabalham, amam, têm desilusões, namoram, contam piadas, discutem política e melhores condições de vida e até filosofam!

Tive conhecimento de sentimentos e ações humanas que ainda não havia visto. Troquei informações e afetos com pessoas de diferentes idades, situações de vida, locais de residência. Percebi uma generosidade incrível! Pessoas colaborando com outras para usar a internet de forma melhor. Fui muito bem recebida no “mundo virtual”. Tão bem recebida que me encantei, como enfeitiçada e grudei na frente da tela do computador... Esqueci que tinha outras coisas para fazer também. Passado um ano e meio eu acordei e refiz meus horários para dar atenção a tudo que me interessa, agora, tive que cortar algumas coisas, ainda não sou onipresente, mas reorganizei a contento, pelo menos para mim.

Li num livro que estamos vivendo melhor e pior ao mesmo tempo. “Estamos vivendo melhor a custa de nos sentirmos pior”(Xavier Guix). Globalização significa, às vezes, querer “abarcar o mundo com as pernas” e isso não é possível; temos limites corporais, e isso não é ruim. Precisamos aprender a fazer escolhas e largar uma ou outra coisa. Somos jovens, bebês mesmo, ainda temos muito que amadurecer, para usar aquilo que inventamos, a nosso favor. Por enquanto ainda nos machucamos muito com nossas criações...

Agora estamos expondo todos os nossos pontos negros que uma educação repressora anterior nos colocou e então é tempo de bagunça, estamos vivendo a desorganização existencial humana, e é desagradável, porém rica em crescimento. O ruim e o bom estão caminhando de mãos dadas. Cabe a cada um escolher como usar as possibilidades para si e em coletividade. E para isso precisamos de maturidade e sabedoria. E neste momento estamos desenvolvendo isso, com a ajuda da tal globalização. Mestres, às vezes, são duros e difíceis, mas nos forçam a crescer!

Namasté!

Leia também:
Perdas e ganhos
A difícil arte de dizer sim e não
O bom e o ruim

3 comentários:

  1. texto maravilhoso e com uma dose muito grande de verdade, ou pelo menos com a verdade que imagino.
    parabéns!!

    ResponderExcluir
  2. Nanda,

    Ja vi mtas historias de amor que comecaram na net. Realmente a net facilita mto a nossa integracao com o mundo.
    O problema é qdo a gente deixa de se relacionar com as pessoas para ficar somente na net. Mas controlando a dose, sempre é positivo conhecer coisas e pessoas novas, pq sempre nos ensinam algo.
    A troca de informacoes e experiencias entre nós nos ajuda mto! Abrimos nossa mente! Vemos um universo novo.

    A globalizacao e um fenómeno natural, sem reverso, e que ainda estamos por descobrir o final.

    Obrigada pelo carinho e pela atencao que sempre nos dá as nossas questoes. Adoro vir aqui ao blog e poder deixar sempre um recadinho.

    Bsssssssssssssssss
    FE

    ResponderExcluir
  3. Paulo:

    Obrigada!!!
    Gostei! Principalmente de vc ter consciência que nossas verdades não são definitivas!
    São apenas maneiras de ver que de vez em quando encontramos em outras pessoas.
    Bjão!



    Fernanda:

    Parece então, que pensamos parecido, hein? Achei que iríamos divergir sobre esse assunto.
    Eu é que agradeço seu carinho e atenção, apenas estou retribuindo!
    Espero que sempre goste de vir aqui e deixar recados, perguntas e debates!
    Eu aguardo com grande emoção!
    Bjão!

    ResponderExcluir

Oi queridos/das, adoro ler comentários, contribuam para o meu prazer! Obrigada.